Instituto Faz Bem - (31) 3275-2475 | IME - (31) 3262-3555

Esqueça papinhas, purês e processadores e simplesmente deixe que o bebê se alimente sozinho. Essa é a proposta do BLW (Baby Led Weaning – desmame guiado pelo bebê, traduzido do inglês), que substitui as papinhas por pedaços grandes de frutas e legumes e os talheres pelas próprias mãos.
Você coloca a criança no cadeirão e não usa potes ou colheres, apenas pedaços de alimento colocados diretamente na bandeja, de tamanhos que o bebê consiga segurar e se alimentar com as mãos, escolhendo o que comer, na quantidade e velocidade que quiser. A ideia é ir estimulando o bebê a se acostumar com sabores e texturas novas enquanto o aleitamento materno – ou complemento de fórmula – é a principal fonte de nutrição do bebê.

Algumas dúvidas que surgem:

Posso dar qualquer tipo de alimento?

O ideal é começar com alimentos macios e cortados em filetes longos, de forma que a criança possa segurar com a mão toda e morder (ex: batata inglesa, batata doce, moranga, abobrinha, baroa e chuchu cozidos. Abacate, mamão, manga, melão, melancia).  Grãos pequenos como arroz, feijão e cereais devem ser oferecidos dessa forma apenas quando a criança já fizer movimento de pinça com os dedos. Além disso, muito cuidado com folhas cruas porque, ao morder, a criança pode rasgar um tamanho grande, não conseguir triturar e se engasgar. Alimentos redondos e pequenos como grão de bico ao dente, amendoim, uva e tomates cerejas inteiros, também devem ser evitados por serem escorregadios.

A partir de seis meses qualquer bebê pode fazer o BLW?

Não! Não basta ter a idade. Veja abaixo alguns sinais que mostram se o bebê já está pronto:

  • Senta-se sem esforço (com ou sem apoio)
  • Segura o pescoço mantendo a cabeça ereta
  • Leva as mãos à boca
  • Demonstra interesse pela comida

Vale lembrar que no caso de crianças prematuras, deve-se considerar a idade corrigida.

E se o bebê não tiver dentes?

O BLW não deve acontecer antes dos seis meses, e após essa idade, é muito comum bebês ainda serem totalmente “banguelinhos”. Independente de os dentinhos já terem apontado ou não, a gengiva já é bem durinha e consegue triturar alimentos macios.

Mas o bebe não engasga?

Não existe mais risco de engasgar com BLW do que com qualquer outro método de introdução alimentar. Pelo contrário, a probabilidade de engasgos pode ser maior se outra pessoa estiver oferecendo a comida, pois o bebê não tem controle do que entra em sua boca. No BLW, o bebê comanda e aprende a colocar em sua boca exatamente aquilo que vai conseguir mastigar e engolir (mesmo sem dente), além disso, o bebê passa a entender o mecanismo do engasgo e começa a evitar que aconteça, partindo o alimento em pequenos pedaços na boca ou amolecendo-o, antes de engolir. Claro que isso é um aprendizado e no começo, a criança vai tentar engolir pedaços maiores, mas só assim para ela descobrir que não dá. Quando isso acontece, é comum a criança ter o que chamamos de Gag-Reflex. Parece um princípio de engasgo (Vulgo “descer quadrado”), mas em geral as crianças se resolvem sozinhas.

De qualquer forma, nunca deixe seu bebê comendo sem supervisão e lembre-se que engasgos podem acontecer até mesmo com leite ou saliva. Todas as pessoas envolvidas nos cuidados com o bebê devem saber os procedimentos de desengasgo. NoYouTube existem vários vídeos do CORPO DE BOMBEIRO sobre os procedimentos.  Não deixe de assistir.

E se o bebê não comer o suficiente?

Na fase da introdução alimentar, você não dá comida e complementa com o leite. Você dá o leite e complementa com comida. Sim, a comida é apenas um complemento. A criança está sendo apresentada aos alimentos e não está interessada no seu valor nutricional. Ela quer saber o sabor e a textura. Tudo é uma grande brincadeira. Isto porque o que parece motivar os bebês para fazer essa transição é a curiosidade, e não fome. Então, nada de stress. Faça das refeições momentos agradáveis. Não crie metas para o seu bebê. Ele é só um bebê!

Quais as principais vantagens desse método?
1. É prazeroso para o bebê e lindo de se ver!
2. Não tem stress de ficar sofrendo porque a criança não comeu direito e você pode dispensar o famoso aviãozinho.
3. Dá autonomia para a criança e respeita o nível de saciedade dela. O bebê vai comer exatamente o quanto precisa. Nem mais, nem menos.
4. A criança se sente socialmente inserida no momento da refeição.
5. Estimula a mastigação.
6. A criança cria uma relação positiva com a alimentação e fica mais receptiva a novos alimentos.

O BLW é melhor do que a papinha amassada?

Cada forma de oferecer a comida tem suas vantagens e desvantagens. E você não precisa “vestir a camisa” de nenhum deles. A melhor forma de alimentar um bebê é aquela onde todos se sentem seguros e confiantes. Nada te impede de associar as duas formas de alimentar.