8

😑De fato, sem apetite a aceitação sempre será baixa, mas atenção: não estamos falando da fome da África, e sim daquela que sentimos entre uma refeição e outra.

1️⃣Em primeiro lugar, é importante avaliar a possibilidade de a criança ter algum problema real que a impossibilita de conseguir comer. Nem sempre é frescura e isso exige um olhar multidisciplinar.

🗣️Dizer a uma criança que se ela não comer ficará com fome, é o mesmo que cutucar uma cobra com uma vara. Ela se arma para o bote e vira uma batalha.
O melhor a se fazer nesses casos é gerar a auto responsabilidade na criança e deixar muito claro que todos estão jogando no mesmo time.

👉🏻Você pode dizer algo do tipo:
“Entendo que você não queira comer toda a comida. Isso é normal. Tem dias que eu também tenho vontade de comer menos, mas devemos ficar atentos para que isso não vire um hábito, ok? Vamos fazer o seguinte, a próxima refeição será daqui a 3 horas. Eu quero que você se esforce o máximo para não comer nada até lá, mas se sentir muita fome, me avise que te darei 1 pedaço de fruta só para despistar sua barriguinha. Assim você não sofre com a fome, mas também não atrapalha refeição seguinte. O que você acha?”

‼️Lembre-se que, nessas horas, a sua entonação ao falar fará toda a diferença. Tente falar de forma firme, segura e carinhosa ao mesmo tempo.
Você consegue perceber como você faz a mesma coisa, porém de maneira respeitosa e incluindo a criança na decisão? Não adianta impor a mudança, ela precisa ser uma escolha pessoal e sua função é conduzir a criança para esse fim.