Instituto Faz Bem - (31) 3275-2475 | IME - (31) 3262-3555

Pessoas que sofrem de distúrbios de ansiedade e depressão são mais propensas ao ganho de peso e obesidade, é o que mostra um estudo realizado na Inglaterra que avaliou 4.000 funcionários públicos durante quase duas décadas.

A ansiedade é uma sensação de inquietação, um desejo veemente de algo inexplicável que surge com ou sem motivo e geralmente “exige” uma compensação para nos devolver o sossego. Um exemplo de válvula de escape são os alimentos ricos em carboidratos, sobretudo os açucarados, que junto com o prazer trazem também muitas calorias e arrependimento.

Doces e gorduras atingem regiões cerebrais causando alívio imediato. O problema é que essa impressão de prazer é efêmera. Dessa forma, torna-se natural sair da linha com frequência e assim começa o fracasso da dieta do ansioso. A culpa provoca ansiedade, que leva à comida, que ocasiona a falta de controle, que gera culpa e assim vai.

A triste novidade é que mesmo de boca fechada é possível o ansioso ganhar peso. Isso porque a tensão contínua faz o organismo liberar mais adrenalina e cortisona, dois hormônios responsáveis pela obesidade. O estresse faz com que o cérebro receba uma mensagem de ameaça. Por isso, aumenta a produção desses hormônios que diminuem a queima de calorias e aceleram a multiplicação das células de gordura.

Neste caso, a solução é manter a ansiedade sob controle. Algumas dicas para driblar a ansiedade:

  • Aprenda a relaxar. Faça uma atividade que lhe seja prazerosa e não te exija compromisso. Assista um filme, dance, pinte… Tente achar uma atividade que o faça desligar do mundo.
  • Faça atividade física. A atividade física libera hormônios que nos acalmam, como a endorfina e a serotonina.
  • Coma alimentos ricos em triptofano que aumentam a produção de serotonina e liberam a famosa sensação de bem-estar. Algumas opções são: leite, aveia, banana e castanha.
  • Troque os doces açucarados por frutas secas. Elas são bem docinhas e enganam o cérebro, reduzindo a vontade de comer doces.
  • Não passe vontade. Se desejar comer algo como o chocolate por exemplo, coma um pedacinho pequeno e dê preferência ao amargo. Isso evita crises compulsivas que geram culpa e podem progredir para um transtorno alimentar.
  • Procure um nutricionista para te orientar quanto ao que comer e a quantidade ideal. A reeducação alimentar permite comer um pouco de tudo, sem culpa! Além disso, o profissional pode suplementar a sua alimentação, de forma que diminua a sensação de estresse e a vontade de comer doces.