Instituto Faz Bem - (31) 3275-2475 | IME - (31) 3262-3555

Porque o leite materno é o melhor alimento para o seu bebê?

Além de ser muito nutritivo, o leite materno é um alimento personalizado de acordo com as necessidades do seu bebê. Ele possui substâncias vivas e fatores de proteção ao bebê que potencializam a resposta imunológica. Além disso, ele muda levemente de sabor dependendo do que você come e isso pode ajudar a criança a se acostumar com essa variedade de gostos e ser menos seletiva no futuro. Outra vantagem é que ele é sustentável, livre de contaminação e é de graça. Toda fórmula infantil, tenta imitar o leite materno que é o padrão ouro.  Então, se você tem o padrão ouro dentro de você, de graça, na temperatura certa e livre de contaminação, pra que que você vai se desfazer dele e optar por uma imitação que custa caro?

 Como saber se o seu bebê já mamou o suficiente?

O bebê saudável e que mama em quantidade adequada, molha muitas fraldas por dia. Em geral, são seis fraldas depois que ele começa a mamar regularmente. O xixi deve ser amarelo claro e as fezes soltas e amareladas nas primeiras seis semanas. Outra dica para saber se ele está mamando direito é ouvi-lo engolindo o leite e verificar se o peito da mãe fica mole e vazio depois de amamentar. O sono do bebê também é uma boa pista. Logo depois de uma boa mamada, com a barriga cheia e a fralda limpa, é provável que ele caia no sono. Isso é sinal que ele está satisfeito.

Mesmo mamando o suficiente o bebê pode perder peso nas primeiras semanas?

Sim. Nas primeiras semanas de vida é natural a criança perder cerca de 10% do seu peso e só voltar a recuperá-lo no final da terceira semana, para então começar a ganhar peso continuamente. O pediatra deverá acompanhar o ganho de peso a cada consulta.

Em cada mamada, o bebê deve mamar nos dois peitos ou apenas em um?

A composição do leite é diferente no início e no final da mamada. O leite do início da mamada contém muita água e a maior parte das proteínas e açúcares. Este leite inicial serve para saciar a sede do bebê. Á medida que mama, o leite torna-se progressivamente mais rico em gordura, sendo mais calórico e fornecendo mais saciedade e ganho ponderal à criança. Por esta razão, é importante deixar que o bebê mame completamente o leite do primeiro peito antes de oferecer-lhe o segundo.

E se o bebê acordar com fome logo depois de ter mamado, como se não tivesse “comido”, como proceder?

Antes de dar o peito, esvazie-o um pouco para retirar o leite anterior. É esse leite que mata a sede do bebê, por isso que um bebê amamentado somente no peito não precisa nem de água. Depois de levemente esvaziado, o leite que ficará no peito será o posterior (que contém mais gordura), saciando melhor e oferecendo a ele um maior tempo de sono.

Outro erro comum que não sacia a fome do bebê é mudar de peito sem esvaziar o primeiro completamente. Fazendo isso, o bebê toma todo o leite anterior de um peito e do outro peito. Quem não fica de barriga cheia depois de beber um monte de “água”? Mas a fome aparece rapidinho e é por isso que o bebê que acabou de mamar os dois peitos acorda logo chorando de fome. Deixe o bebê esvaziar todo um seio para depois oferecer o outro, assim terá certeza que o bebê mamou o leite anterior e o posterior.

Agora lembre-se de um detalhe importante: nem todo choro é de fome.

Mesmo que o bebê não chore de fome, é bom esvaziar o peito um pouco antes de amamentar?

Sim, principalmente se as mamas estiverem muito cheias. Esvaziar um pouco a mama facilita o bebê abocanhar melhor toda a aréola. Quem consegue beliscar uma bexiga quando está completamente cheia? Se esvaziarmos fica mais fácil. É o que acontece com o bebê, abocanhar um peito muito cheio é mais difícil, assim o bebê abocanha somente o bico, machucando, às vezes muito, a mamãe. Mamas um pouco mais vazias são fáceis de abocanhar toda a aréola, sem risco de machucar o bico do seio.

Então o leite do começo da mamada é fraco e deve sempre ser descartado?

Não. Ele só é menos calórico e mais rico em água. Bebês também precisam ser hidratados e é nesse leite que se concentra a maior parte das células de defesa que melhoram a reposta imunológica do bebê. O que você deve fazer é apenas descartar os primeiros jatos.

O que faz uma mulher ter muito ou pouco leite?

A quantidade de leite produzido depende da demanda e a produção é instantânea. Isso significa que o bebê não mama apenas o leite estocado, mas que enquanto há sucção, há produção. A prova disso, é que enquanto o bebê mama num seio, o outro costuma pingar. Em contrapartida, o stress e a depressão podem reduzir a sua produção de leite, o que é bastante comum.

E se eu tiver leite demais? O que faço?

Aproveite para congelar. É até muito bom que você tenha sempre um pequeno estoque em seu congelador para evitar ao máximo dar leites artificiais, mesmo em caso de emergências.

Na geladeira, o leite cru dura 12 horas, já no congelador o leite cru dura 15 dias. Se você quiser ir tirando o leite aos poucos e ir completando o volume do frasco que já está no congelador não tem problema. Colete o leite em um copo de vidro esterilizado e seco e coloque o leite recém coletado sobre aquele que já estiver armazenado. Não se esqueça de anotar a data que iniciou a coleta e consumir dentro de 15 dias.

Uma dica para amenizar a dor e diminuir a produção é fazer compressa de água fria. E se por acaso você não precisar se ausentar e não tiver o que fazer com esse leite excedente, procure um baco de leite e se cadastre para ser uma doadora e salvar vidas.

O que fazer para aumentar minha produção de leite?

Descansar, beber muita água (3 litros por dia), evitar o uso de mamadeiras, fazer compressa de água quente, ordenhar o seio (se necessário) e colocar o bebê pra mamar. Quanto mais estímulo, maior a produção de leite. O consumo de um copo de suco de uva integral e 1 xícara do “Chá da mamãe” da Welleda e o uso de tintura de algodoeiro também tem demonstrado bons resultados, porém não há evidencias científicas que comprove. Em alguns casos específicos o uso de medicamentos pode ser eficaz. Tudo isso deve ser feito com orientação nutricional e no caso de usar medicamentos, com orientação médica. Mas lembre-se, a produção de leite tem a ver com a demanda, em algumas fases, como nos 4 primeiros dias de vida e após o sexto mês, é comum uma produção menor. Isso não é um problema, seu corpo só está se regulando às necessidades do seu bebê.

Como deve ser a alimentação da mulher que amamenta?

A alimentação da mulher que amamenta deve conter todos os grupos de nutrientes, ser rica em frutas, legumes e verduras e ser o mais natural possível.  Não há necessidade de comer exageradamente, pois isso pode gerar sobrepeso, mas também não é um momento de fazer dieta restritiva para emagrecer. Isso pode atrapalhar a produção e a qualidade do leite.

Em relação à influência da alimentação da mãe nas cólicas dos bebês, ainda não existem comprovações científicas, mas na prática muitas mulheres observam melhoras ao excluir alguns alimentos.  E é muito importante que a nutriz esteja sendo acompanhada por um profissional ao fazer essas restrições, para que sejam feitas as devidas substituições e não haja carência de nenhum nutriente.

Do que uma mulher precisa pra ser feliz na amamentação?

  • Acreditar que seu leite é o melhor alimento do mundo para o seu bebê.
  • Ter força de vontade e muita paciência.
  • Beber muita água
  • Ter o seio estimulado colocando o bebê para mamar
  • Ter apoio do companheiro, da mãe, da sogra, do pediatra e de quem mais estiver próximo dela e for formador de opinião.
  • Saber lidar com o stress e o cansaço.
  • Saber que para todas as dificuldades existe uma solução.
  • Não desistir.