Instituto Faz Bem - (31) 3275-2475 | IME - (31) 3262-3555
5

💁🏻‍♀️A criança que come muito pode não ser apenas gulosa. Você já parou para pensar que por trás dessa compulsão alimentar pode ter um problema escondido?
Existem vários motivos que levam uma criança a comer em excesso, e em longo prazo, isso pode gerar graves problemas de saúde.⠀

Segue abaixo alguns motivos que levam uma criança a comer em excesso. Saiba como lidar com cada caso.⠀

Ansiedade ou depressão: Pode ter origem em cobranças, complexos, bullying, ambiente familiar conturbado, pais ausentes ou perda de alguém querido. Se a sua criança é ansiosa, você precisa ajudá-la a extravasar essa ansiedade e descontar em algo que não seja comida. Atividade física é uma boa opção. Se ela fica muito isolada ou tem crises de choro frequentemente sem motivo aparente, se reclama muito da vida ou se está constantemente insatisfeita com tudo, procure um psicólogo.⠀

Tédio: Sim! Crianças sentem tédio. Pergunte a você mesmo: o que mais o meu filho faz de prazeroso, além de comer? Nós adultos temos um milhão de coisas para fazer, já a criança, dependendo da idade, fica ociosa, clamando pela atenção de alguém. Fazer aulas extracurriculares, frequentar praças, fazer atividades lúdicas direcionadas, estimula-la a fazer amizades e separar um tempo para brincar com ela, podem ser boas formas de resolver esse problema.⠀

Fase de desenvolvimento: Existem algumas idades onde o desenvolvimento é muito acelerado, para isso, o corpo gasta muita energia e, instintivamente, o corpo sinaliza um apetite maior. Dessa forma, a criança sente mais fome que o normal. Isso é bem comum no primeiro ano de vida e na fase que antecede o estirão da adolescência.⠀

Carência de serotonina: A serotonina dá aquela sensação gostosa de bem estar. Queda de serotonina é bem comum, principalmente a partir das 17hs, daí bate aquele vazio… E uma das formas de preencher esse vazio e repor essa serotonina é comer, de preferência alimentos ricos em carboidratos de rápida absorção (o que não é bom). Incluir alimentos ricos em ômega 3 e precursores de serotonina em momentos estratégicos e ter um intestino saudável, pode fazer toda a diferença nesses casos. Para isso, procure um profissional.

Nutrição inadequada: Se a criança só come alimentos cheios de caloria e pobres em nutrientes (como é o caso das guloseimas), o corpo fica carente desses nutrientes e uma das formas que ele tem de sinalizar isso, é aumentando o apetite para ver ser chega algo “interessante e útil” pra ele.⠀

Café da manhã mal feito: Mesmo que a fome da criança não seja de manhã, um bom desjejum é indispensável para regular o apetite durante o resto do dia.⠀

Exemplos: E você? Come muito? Seu filho está de olho em tudo que você faz e na forma como lida com os alimentos. Não se esqueça de ser um bom exemplo.⠀

Estímulos: Quem ensina seu filho a se alimentar? A televisão? Os estímulos visuais podem ser os principais responsáveis pelos excessos alimentares do seu filho. Quem não sente vontade de comer tudo o que passa na TV? Se o seu filho passa horas a fio na frente dela, vendo várias propagandas maliciosas e milimetricamente pensadas para aguçar o desejo, ele se torna uma vítima fácil.