Instituto Faz Bem - (31) 3275-2475 | IME - (31) 3262-3555

Sem dúvidas, a melhor opção sempre é o Leite Materno até 2 anos ou mais, contudo, para aquelas mamães que não continuaram a amamentar seus filhotes depois de um ano por N motivos, existem algumas opções: Compostos lácteos (Ninho fases, Enfagrow, Neslac e Milnutri) ou leite de vaca que pode ser em pó, Longa Vida ou pasteurizado.

Primeiro vamos falar dos compostos lácteos. Isso mesmo, não é leite, é um composto que possui leite.

A vantagem desses compostos é que eles são desenvolvidos especialmente para crianças e possui um valor nutricional direcionado para os primeiros anos de vida, o que faz deles, uma opção nutritiva e balanceada. Por trás das empresas que produzem esses compostos existe uma infinidade de estudiosos tentando deixa-lo cada vez mais parecido com o leite materno.

Mas infelizmente, todos eles possuem algo para adoçá-los, seja algum xarope, maltodextrina ou sacarose, além de possuírem também aromatizantes para torná-los mais palatáveis. Outra desvantagem é que todos os nutrientes das fórmulas infantis são sintéticos, ou seja, seu aproveitamento pelo corpo não é dos melhores. É como tomar um polivitamínico, tipo um “Centrum” com cara de “leite” ao invés de ser em cápsulas.

Em contrapartida, temos o leite de vaca, que tem a seu favor o fato de ter menos ingredientes artificiais, ter um preço mais acessível e o sabor natural que não vicia o paladar.
Outra informação muito importante em relação ao leite de vaca é que, como ele é sintetizado por um organismo vivo (a vaca), a relação entre seus nutrientes é muito boa, o que é muito importante quando avaliamos, por exemplo, o perfil de aminoácidos presentes nas proteínas lácteas.

Alguns nutrientes como as vitaminas A, C, D e E, além do zinco estão presentes em menores níveis no leite de vaca. Mas, todos esses nutrientes são facilmente supridos pelos demais alimentos que as crianças já estão ingerindo a partir de 1 ano de idade. Isso, se a criança tiver uma alimentação saudável e a rotina de tomar sol diariamente. Outra opção seria a utilização de leites fortificados. No mercado, existem várias opções de leites que são acrescidos dessas vitaminas.
Mas o leite de vaca não possui apenas vantagens. Infelizmente, devido às fraudes constantes, eles são menos seguros. Outro problema é que eles possuem uma quantidade de proteínas muito exagerada para a maioria das crianças. Nesse caso, crianças pequenas que optarem por consumir o leite de vaca, não precisam consumir leguminosas (feijão) duas vezes ao dia e podem jantar sem carne esporadicamente para equilibrar essas proteínas.

Como você pode observar, não existe melhor ou pior nessa história. Ambos possuem vantagens e desvantagens que precisam ser avaliadas e levadas em consideração para cada caso. Existe também a possibilidade de avaliar junto ao seu nutricionista o consumo dos dois. Não é necessário tomar partido para apenas um dos dos lados. Nutrição é uma questão de contexto e deve ser personalizada sempre que possível.

Obs: O consumo de leite de vaca em substituição ao aleitamento materno ou fórmula infantil é desaconselhável antes de um ano de idade.